Vinho Orgânico Cabernet Franc Combina Com Risoto De Cogumelos

O vinho orgânico Cabernet Franc é produzido com uvas Cabernet Franc cultivadas organicamente, sem o uso de pesticidas ou adubos químicos. É um vinho tinto de cor rubi intenso, com notas de frutas negras frescas e um leve toque de pimenta. Possui bom corpo e acidez, além de taninos marcantes.

Este vinho orgânico harmoniza muito bem com o risoto de cogumelos, um prato saboroso feito com arroz arbóreo, caldo de legumes e uma mistura de cogumelos como shiitake, shimeji e Paris. O risoto leva ainda cebola, alho, vinho branco e salsinha.

A acidez e os taninos presentes no Cabernet Franc orgânico equilibram perfeitamente o creme e o umami dos cogumelos no risoto. As notas de frutas negras do vinho realçam os sabores do prato. Elegância e equilíbrio é o que se obtém ao combinar o vinho orgânico Cabernet Franc com um delicioso risoto de cogumelos.

Como surgiu a gastronomia?

A palavra “gastronomia” tem origem no grego “gastros”, que significa estômago, e “nomos”, que quer dizer lei. Ela surgiu no século XVIII na França, que é considerada o berço da alta gastronomia.

Mas a arte de cozinhar é muito mais antiga. Desde a pré-história o ser humano prepara alimentos, inicialmente para conservá-los. Com o passar dos séculos, as preparações foram ficando mais elaboradas, principalmente entre as elites.

No antigo Egito, Grécia e Roma a alimentação já possuía um grande significado cultural e social. Na Idade Média, surgiram as primeiras guildas de cozinheiros e regras de etiqueta na mesa. Foi na Renascença que a gastronomia realmente deslanchou na Europa, com o desenvolvimento de novas técnicas de cocção.

Principais escolas da gastronomia

Ao longo dos séculos, desenvolveram-se importantes escolas gastronômicas, cada uma com suas características:

Cozinha Francesa

Surgiu no século XVIII e tornou-se referência mundial, com pratos refinados, molhos elaborados e técnicas como sauté, bouquet garni e mosqueado. Seus expoentes são La Varenne, Marie-Antoine Carême e Auguste Escoffier.

Cozinha Italiana

Valoriza ingredientes locais e frescos da região. Massas, risotos, queijos e vinhos são a base. As principais escolas são a Toscana, com seu Chianti e molho à bolonhesa, e a romana, com saltimbocca e fettuccine alfredo.

Cozinha Japonesa

Muito ligada à cultura e à filosofia oriental, valoriza a harmonia entre prato, apresentação e sabor. Destaques para o sushi, sashimi, tempura e dashi. As escolas principais são a Kanto e a Kansai.

Cozinha Indiana

Usa uma grande variedade de especiarias como canela, cominho, cardamomo e pimenta. Arroz, lentilha, legumes e frango são muito presentes. Seu curri é famoso mundialmente.

Cozinha Brasileira

Rica e diversificada, mescla influências indígenas, africanas e europeias. Feijão, arroz, farofa, vatapá e carne assada são alguns de seus ícones. Tem como principais escolas a caipira, nordestina, baiana e mineira.

Principais chefs e restaurantes

A gastronomia conta hoje com nomes famosos que elevaram a cozinha a uma forma de arte. Alguns dos principais são:

  • Paul Bocuse – Chefe francês que criou a Nouvelle Cuisine, com pratos leves e criativos.
  • Joel Robuchon – Mestre da cozinha francesa, dono do restaurante com mais estrelas Michelin do mundo.
  • Thomas Keller – Americano dono do famoso restaurante French Laundry, na Califórnia.
  • René Redzepi – Dinamarquês especialista em cozinha nórdica no aclamado Noma.
  • Alex Atala – um dos principais nomes da cozinha brasileira moderna no restaurante D.O.M, em São Paulo.
  • Helena Rizzo – mulher à frente do Maní, eleito 9° melhor restaurante do mundo.

Já os restaurantes mais prestigiados do mundo são:

  • Noma (Dinamarca) – eleito o melhor do mundo por 5 vezes pelo ranking The World’s 50 Best Restaurants.
  • El Bulli (Espanha) – fechou as portas em 2011, mas foi considerado por anos o melhor e mais inovador restaurante do mundo.
  • The French Laundry (EUA) – templo da alta gastronomia americana, do chef Thomas Keller.
  • Osteria Francescana (Itália) – comandado pelo chef Massimo Bottura, ficou em 1o lugar em 2016 e 2018.
  • Eleven Madison Park (EUA) – quadras estrelas Michelin e 1o lugar em 2017 do ranking The World’s 50 Best Restaurants.

Principais tendências da gastronomia moderna

Alguns movimentos e tendências marcam a gastronomia nas últimas décadas:

Cozinha Molecular

Usa técnicas e ingredientes da indústria química e alimentos para modificar texturas, aromas e formas dos pratos. Foi criada pelos chefs Ferran Adrià, Heston Blumenthal e Grant Achatz.

Cozinha de Fusão

Mescla ingredientes e técnicas de diferentes países e culturas no mesmo prato. Exemplos: tex-mex, peruana-nikkei, indo-chinês.

Nova Cozinha Nórdica

Resgata ingredientes nórdicos como frutos do mar, baunilha, cevada e rena. Seus expoentes são René Redzepi, Magnus Nilsson e Claus Meyer.

Cozinha Sustentável/Orgânica

Usa ingredientes locais, orgânicos e sazonais. Valoriza pequenos produtores, causas sociais e ambientais. Seu principal nome é Alice Waters, do restaurante Chez Panisse.

Cozinha Autoral

O chef cria pratos totalmente autorais, que carregam sua assinatura pessoal. Exemplos são Paulo Airaudo (restaurante Aïoli) e Claude Troisgros (Olympe).

Escolas de gastronomia no Brasil

Para quem deseja se profissionalizar na área, o Brasil conta hoje com conceituadas escolas, como:

  • Instituto Americano de Gastronomia – IAG (RJ)
  • Universidade Anhembi Morumbi (SP)
  • Faculdades Senac – cursos de Gastronomia (várias cidades)
  • Universidade Positivo – curso de Gastronomia (PR)
  • Centro Universitário Anhanguera – curso de Gastronomia (SP)
  • Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS (RS)

Essas instituições formam profissionais nas carreiras de chef de cozinha, nutricionista, sommelier e gerente de restaurantes.

O que é preciso para ser um grande chef?

Mais que talento, ser um grande chef exige:

  • Criatividade: para inventar novos pratos e combinações ousadas
  • Domínio de técnicas: cortes, cocção, empratamento, confeitaria etc
  • Paladar apurado: para criar harmonias de sabor e texturas
  • Liderança: para comandar times e administrar cozinhas
  • Gestão: restaurantes exigem habilidades de gestor
  • Resistência: o ritmo no comando dos fogões é intenso
  • Inovação: manter a cozinha atualizada com novas tendências
  • Perfeccionismo: cozinha de alto nível requer extremo cuidado aos detalhes

Muita prática, estudo contínuo e experiências em restaurantes renomados também são essenciais para atingir o topo da profissão.

Como harmonizar vinhos e pratos?

Uma boa refeição pede um bom vinho para acompanhar. Algumas dicas para acertar nas harmonizações:

  • Vinhos leves para pratos leves; vinhos encorpados para pratos robustos
  • Vinho branco para peixes; tinto para carnes vermelhas
  • Vinhos com notas cítricas combinam com frutos do mar
  • Temperatura da bebida deve ser adequada ao prato
  • Doces pedem vinhos de sobremesa como Moscatel e Porto
  • Vinhos mais secos para queijos duros; mais frutados para queijos macios
  • Champanhe combina com frutos do mar e carnes brancas

O sommelier ou chef de cozinha podem orientar o vinho ideal para cada prato e ocasião.

Dicas para organizar a cozinha

Manter a cozinha bem organizada facilita (e muito) o trabalho. Algumas dicas úteis:

  • Itens de uso diário devem ficar em locais de fácil acesso
  • Armários e estantes precisam de organizadores (porta temperos, nichos, etc)
  • Identificar frascos de especiarias e temperos
  • Ter recipientes para armazenar alimentos separados por tipo
  • Manter utensílios próximos de onde são utilizados
  • Louças e tigelas empilhadas de forma visível e acessível
  • Geladeira organizada com itens separados e identificados
  • Lixo segregado e descartado com frequência

Com planejamento e organização, até mesmo uma pequena cozinha pode ser funcional e eficiente.

Os novos rumos da gastronomia

Para o futuro, espera-se algumas tendências marcantes na gastronomia:

  • Alimentação mais saudável e natural, com óleos prensados a frio, grãos integrais e orgânicos.
  • Valorização de ingredientes locais e sustentáveis, com menor pegada de carbono.
  • Customização em massa: cardápios personalizados conforme perfil, dieta e restrições alimentares de cada cliente.
  • Cozinha com cortes de carne mais sustentáveis, como o pygmy hippo no lugar do tradicional filé.
  • Novos insumos como algas, plantas e frutos do mar pouco conhecidos.
  • Pratos com narrativas, que contam histórias e homenageiam lugares, memórias e pessoas.
  • Maior uso de inteligência artificial, robótica e impressão 3D na produção de alimentos.

A tecnologia e a consciência por sustentabilidade devem moldar os novos caminhos da gastronomia mundial.

Considerações finais

A gastronomia continua em constante evolução e cada vez mais próxima da arte. Os grandes chefs são verdadeiros criadores, capazes de proporcionar ao paladar experiências multissensoriais inesquecíveis.

Dominar as mais variadas técnicas de cocção, entender de harmonização com vinhos e sobremesas, estudar novas tendências, ter sensibilidade para fusão de sabores e trabalhar com equipe são fundamentais para quem deseja se destacar nesse universo.

Apreciar uma boa refeição, compartilhada com amigos e familiares, utilizando ingredientes naturais e uma boa conversa é um dos grandes prazeres da vida. E é essa magia ao redor da mesa que a arte da gastronomia nos proporciona.

Referências:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *